IX Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Análise do perfil biomecânico de atletas de futebol feminino do Distrito Federal

Resumo (máximo 3000 caracteres com espaço)

Introdução: Qualidades como resistência, velocidade, agilidade e força são os requisitos básicos para a prática do futebol, caracterizados por contínuas mudanças de direção e de altas cargas de ação unipodal. Dessa forma a alta demanda sobre o controle neuromuscular, agilidade e forças concêntrica/excêntrica, predispõem os atletas às lesões, cujas causas e mecanismos são complexas e multifatoriais. Diante disto, o rastreio das particularidades, bem como a avaliação funcional sistemática do desempenho dos atletas torna-se uma prática comum no meio esportivo e tem fornecido informações importantes que permitem uma análise crítica e confiável acerca das características dos atletas, sobretudo nas modalidades femininas, cujas investigações são escassas, quando comparado ao público masculino. Objetivos: O objetivo desse estudo foi traçar o perfil funcional das atletas de futebol feminino do Distrito Federal. Métodos: Foi conduzido um estudo transversal descritivo com 55 atletas de 4 equipes de futebol do DF. Utilizou-se para a avaliação do perfil epidemiológico das lesões, um questionário com perguntas sobre lesões pregressas e atuais e foram conduzidos os seguintes testes: (1) Weight Bearing Dorsiflexion Lunge Test; (2) Teste de rigidez dos rotadores laterais;(3) Testes de controle neuromuscular do tronco; (4) Avaliação de força muscular de glúteo médio e rotadores do quadril – Lafayette; (5) Avaliação muscular Isocinética à 60º/s (Relação Angonista/Antagonista). Resultados: Analisamos 55 atletas, com idade média de 24,2 anos; tempo médio de prática: 9,21 anos; onde 51 eram destras, 1 ambidestra e 3 sinistras. Realizamos as médias da diferença entre o lado esquerdo e direito para força muscular de glúteo médio: 4,36; para rotadores internos do quadril: 4,85; para rotadores externos do quadril: 4,03; também para amplitude de movimento (ADM) para rotadores internos do quadril: 6,1; para ADM para dorsiflexão: 3,25. A média em segundos para o teste de controle abdominal foi 166,23 e para paravertebrais foi 135,36; enquanto a média da relação Angonista/Antagonista para o lado direito foi 51,48 e para o lado esquerdo 50,48. Conclusão: As barreiras socioculturais ainda persistentes quanto à visibilidade do futebol feminino e a escassez de estudos com maiores informações referentes à sua prática reforçam a lacuna social, esportiva e científica presentes nesse meio. Dessa forma, faz-se necessário que haja maiores investigações que contribuam para a elaboração futura de estratégias de prevenção específicas às necessidades exigidas do gênero e da modalidade.

Palavras-chave (máximo 3)

Futebol, Lesões Esportivas, Desempenho Físico Funcional

Área

Biomecânica

Autores

larissa Soares Santos, Pedro Nunes Silva