IX Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

O tempo de prática influencia na dor em praticantes de CrossFit?

Resumo (máximo 3000 caracteres com espaço)

Introdução: Programas de condicionamento extremos (PCEs) são caracterizados por movimentos funcionais constantemente variados e de alta intensidade, realizados de forma rápida e com pouco ou nenhum tempo de recuperação. Eles são populares nos dias atuais devido aos ganhos de um treinamento intenso associado ao resultado em curto prazo. Porém, treinamentos nesse contexto associados à progressão inadequada de carga aumentam o risco de lesões por uso excessivo, overreaching e overtraining. Apesar dos riscos, autores sugerem que os PCEs têm um potencial de lesão semelhante ou menor que muitas atividades de treinamento físico tradicional. No entanto, alguns fatores podem influenciar como tempo de prática, horas de treino semanal, excesso de carga, não familiarização com os exercícios podendo provocar o desgaste físico sinalizado por dor muscular e/ou articular. A hipótese desse trabalho foi de que, quem praticava a atividade há mais tempo relataria possuir mais dor comparado a quem estava há menos tempo. Portanto, o objetivo desse estudo foi correlacionar a dor relatada com o tempo de prática do CrossFit. Métodos: Foram entrevistados 138 praticantes de CrossFit sobre há quanto tempo praticavam a atividade e se possuíam alguma dor durante e/ou após o treino. Os dados foram apresentados em média e desvio padrão, verificados pelo teste Shapiro Wilk e Spearman, com nível de significância de 5%. Resultados: 83 (60,1%) praticantes responderam que possuem alguma dor articular durante e/ou após o treino e a média de tempo de prática entre eles foi de 19,44 (13,99) meses para os que não possuem dor e 19,55 (14,03) meses para os que relataram dor. No entanto, o teste de Spearman não apresentou correlação entre as variáveis tempo de treino e dor (r= -0,75, p= 0,390). Conclusão: Mais da metade da amostra relatou sentir dor durante e/ou após os treinos e o tempo em que praticavam a atividade foi homogêneo. O tempo de treino não influenciou na ocorrência de dor durante e/ou após o treino em praticantes de CrossFit. Sugere-se que a sensação de dor seja novamente verificada em estudos de caráter prospectivo, quantificada e qualificada, além de caracterização e localização da mesma.

Referências:
AUNE, K. T.; POWERS, J. M. Injuries in an Extreme Conditioning Program. Sports Health: A Multidisciplinary Approach, v. 9, n. 1, p. 52–58, jan. 2017.
CLAUDINO, J. G. et al. CrossFit Overview: Systematic Review and Meta-analysis. Sports Medicine - Open, v. 4, n. 1, dez. 2018.
WEISENTHAL, B. M. et al. Injury Rate and Patterns Among CrossFit Athletes. Orthopaedic Journal of Sports Medicine, v. 2, n. 4, p. 232596711453117, abr. 2014.


Palavras-chave (máximo 3)

CrossFit; dor; tempo de prática.

Área

Biomecânica

Autores

Lucimara Ferreira Magalhães, Antônio Ribeiro Neto, Dernival Bertoncello