IX Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Efeito da fotobiomodulação na resistência e percepção subjetiva de esforço em atletas de ciclismo.

Resumo (máximo 3000 caracteres com espaço)

Introdução: A fotobiomodulação tem sido muito estudada na última década. Seus efeitos fotobiomoduladores são geralmente produzidos através de lasers de baixa intensidade ou diodo emissor de luz (LEDT- light emitting diode therapy), sendo seus efeitos teciduais equivalentes. Estudos têm demonstrado que o uso desses recursos podem trazer benefícios ergogênicos e protetores no desempenho muscular, sendo o uso do LEDT uma fonte de luz promissora devido ao seu baixo custo. Porém, não há estudos suficientes que respaldem o seu uso em atletas, com o objetivo de melhorar a performance. Frente ao exposto, há a necessidade de estudos que avaliem o uso do LEDT para a melhora da performance em atletas. Objetivos: Analisar os efeitos da aplicação da associação de LEDT vermelho e infravermelho no desempenho muscular e na percepção subjetiva ao esforço (PSE) durante um teste incremental em atletas de ciclismo. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado placebo controlado e cego. A amostra foi composta por 24 atletas de ciclismo do gênero masculino, entre 18 a 48 anos, sendo alocados de forma randomizada em dois grupos: Grupo sham (G-S) e Grupo Intervenção de LEDT vermelho e infravermelho (G-I), de forma homogênea. O pesquisador 1 ficou responsável pela intervenção, o pesquisador 2 por todas as avaliações e o pesquisador 3 pelo processamento de dados. Atletas com histórico de lesão musculoesquelética nos últimos seis meses, presença de doenças cardiorrespiratórias, uso de álcool e drogas ilícitas foram excluídos da coleta. Os atletas foram inicialmente submetidos a uma anamnese, seguido da realização de um teste incremental. Após 24 horas, os atletas retornaram ao local da avaliação para aplicação do LEDT (180 J), sendo reaplicadas nos dois dias seguintes, realizando um total de três aplicações. O teste incremental foi realizado após 24 horas à última intervenção. Para análise dos dados, foi utilizado o teste D’Agostino para verificar a normalidade dos dados. Para comparação entre os momentos foi utilizado o teste t para os dados paramétricos e o teste de Wilcoxon para os dados não paramétricos. Foi adotado um nível de significância de 5%. Resultados: A média do número de estágios completados no teste incremental foi significativamente maior no G-I (p = 0,002). Não houve diferença significativa entre as médias do tempo total do teste incremental no G-S (p = 0,09) e G-I (p = 0,23). Não houve diferença significativa entre as médias dos estágios completados no teste incremental no G-S (p = 0,09). Não houveram diferenças significativas para a PSE durante o teste incremental em ambos os grupos (p > 0,05). Conclusão: A aplicação associada de LEDT vermelho e infravermelho mostrou-se eficaz na performance de atletas de ciclismo apenas na variável numero total de estágios completados no teste incremental.

Palavras-chave (máximo 3)

Fotobiomodulação; Desempenho atlético; Fadiga

Área

Tratamento

Autores

Filipe Ramos Carlos, Gabriela Carvalho, Aline Gobbi, Rinaldo Roberto de Jesus Guirro