IX Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva e da Atividade Física

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Perfil Funcional de Atletas Universitários

Resumo (máximo 3000 caracteres com espaço)

Introdução: No esporte a performance do atleta é associada à qualidade do desempenho físico. A avaliação pré-temporada é prática rotineira que visa ao monitoramento das características funcionais dos integrantes da equipe e à identificação de atletas suscetíveis à lesão. Objetivo: Descrever o perfil funcional de atletas universitários de diferentes modalidades esportivas a partir dos testes pré-temporada. Métodos: A amostra foi constituída por 55 atletas universitários, praticantes de Atletismo (9), Basquete (13), Vôlei (10), Handebol (6) e Futsal (17). As avaliações pré-temporada foram compostas por testes de mobilidade articular (Schober: coluna, Lunge: tornozelo e Extensão do Joelho modificado) e de estabilidade dinâmica (Single Hop Test: membro inferior, Closed Kinetic Chain Upper Extremity Stability Test (CKCUEST): membro superior). Os dados foram analisados por estatística descritiva e apresentados em média, desvio padrão e percentual. Resultados: O Teste de Schober foi considerado positivo (valores abaixo de 15cm) em 44,5% dos atletas do atletismo, 30,1% do basquete, 10% do vôlei, 33,3% do handebol e 35,3% do futsal. Para o Lunge Test valores inferiores ao ponto de corte (9cm) foram encontrados em 11,1% dos atletas de atletismo em ambos os lados, 15,4% do lado direito e 7,7% do esquerdo no basquete, os atletas do vôlei não apresentaram valores baixos, 33,3% do lado direito e 50% do esquerdo no handebol, 17,6% do lado direito e 23,5% do esquerdo no futsal. No Teste de Extensão do Joelho modificado, no atletismo a média do ângulo no joelho direito foi de 108°(±7,2) e no esquerdo de 108,8°(±7,8), no basquete no joelho direito foi de 114,1°(±12,7) e no esquerdo de 112,5°(±7,6), no vôlei no joelho direito foi de 123,2°(±14,3) e no esquerdo de 121,4°(±16,9), no handebol no joelho direito foi de 106,5°(±6,4) e no esquerdo de 104,7°(±5,7) e no futsal no joelho direito foi de 115,6°(±10,7) e no esquerdo de 114,1°(±7,7). No Single Hop Test a média de distância atingida no lado direito para os atletas do atletismo foi 148,9cm(±55,1) e no esquerdo 138,8cm(±68,1), no basquete 129,2cm(±62) do lado direito e 136,7cm(±48,9) do esquerdo, no vôlei 171,6cm(±32,3) do lado direito e 169,8cm(±30,1) do esquerdo, no handebol 114,4cm(±61,7) do lado direito e 110,7cm(±63,2) do esquerdo e no futsal 139,6cm(±20,9) do lado direito e 135,6cm(±18,8) do esquerdo. Para o CKCUEST, a média do número de toques foi de 29(±5,1) no atletismo, 28,2(±8,9) no basquete, 27,1(±3,6) no vôlei, 27,2(±2,9) no handebol, e 28,0(±8,1) no futsal, superior aos 21 toques considerado ponto de corte para risco de lesão de ombro. Conclusão: O atletismo apresentou maior limitação na mobilidade da coluna lombar e na extensão do joelho. Os atletas de handebol apresentaram menor mobilidade de tornozelo, já os de vôlei maior estabilidade de membro inferior. E a estabilidade dinâmica de membro superior foi semelhante em todas as modalidades.

Palavras-chave (máximo 3)

Desempenho Atlético; Testes de Aptidão; Atletas.

Área

Epidemiologia

Autores

Vithória Messa de Borba, Isadora Andrade Pizzato, Laura Alberti Zandavalli, Werner Kosinski de Oliveira Saraiva, Natanael Dahm Machado, Cláudia Silveira Lima